Shunt pulmonar e hipoxemia na ECMO VV: o racional e a conduta.

Racional:


O shunt pulmonar se caracteriza quando, apesar da circulação de sangue nas unidades funcionais do pulmão (alvéolos), por alguma razão (derrame alveolar, atelectasia, barotrauma,etc) não há ventilação alveolar adequada, o que acaba por afetar as trocas gasosas e reduzir a oxigenação sanguínea. Por outras palavras; no shunt pulmonar haverá a "passagem" de sangue pelo alvéolo, mas eles não estão sendo "ventilados", prejudicando a hematose.


Quando o paciente em ECMO VV agrava o shunt pulmonar (muitos alvéolos sem função), a contribuição do pulmão para oxigenação, que já encontra-se péssima, será ainda mais reduzida, podendo resultar em hipoxemia.


Conduta:


A conduta para minimizar o shunt pulmonar é otimizar a ventilação alveolar, atuando principalmente na ventilação mecânica. Dessa forma, elevar a FiO2, aumentar a PEEP, realizar recrutamento alveolar, melhorar a sincronização paciente-ventilador (uso de bloqueador neuromuscular), óxido nítrico inalatório, etc. são medidas que podem necessárias na otimização da saturação sanguínea, mesmo o paciente em ECMO. A pronação também é recomendada se todas as medidas foram tomadas e o paciente persiste dessaturado em ECMO VV .


Referência:

  1. Nunes LB, Mendes PV, Hirota AS, Barbosa EV, Maciel AT, Schettino GP, Costa EL, Azevedo LC, Park M; ECMO Group. Severe hypoxemia during veno-venous extracorporeal membrane oxygenation: exploring the limits of extracorporeal respiratory support. Clinics (Sao Paulo). 2014 Mar;69(3):173-8. doi: 10.6061/clinics/2014(03)05. PMID: 24626942; PMCID: PMC3935134.



Tags:

Posts Em Destaque
Posts Recentes