Quando é o melhor momento para cirurgia corretiva em pacientes com Tetralogia de Fallot?


Imagem de uma cirurgia para correção de Tetralogia de Fallot

Fonte: Furlanetto G, Binotto MA. Tetralogia de Fallot. ln: Croti UA, Mattos SS, Pinto Jr. VC,Aiello VD, Moreira VM. Cardiologia e cirurgia cardiovascular pediátrica. 2a ed. São Paulo:Roca;2012. p. 453-78.

Existe um grande debate sobre o melhor momento para operar o paciente portador de Tetralogia de Fallot. Obviamente, vários fatores clínicos devem ser levados em conta no momento da decisão, porém dois critérios se destacam: 1) a idade do paciente e 2) a presença de sintomas.

Na presença de sintomas (crises hipoxêmicas, por exemplo), os paciente com Fallot devem ser operados e não há nenhuma dúvida quanto a esse critério discriminatório. Porém, se o paciente estiver assintomático, podemos manejar clinicamente e postegar o procedimento cirúrgico. Mas a pergunta é: até quando?

Há uma grande discussão a respeito de qual seria o melhor período para operar os pacientes assintomáticos. De maneira geral, evitamos operar o paciente muito cedo (antes dos 03 meses) ou muito tarde (após o sexto mês ou primeiro ano de vida). E por quais motivos?

Realizar uma cirurgia no período neonatal - apesar dos avanços no âmbito da cirurgia cardíaca pediátrica e cuidados perioperatórios - está relacionado, em alguns estudos, com uma taxa maior de complicações (maior taxa de não preservação da valva pulmonar, maior necessidade de uso de inotrópicos, maior tempo de internamento hospitalar e maior incidência de disfunção órgãos). Por sua vez, operar o paciente muito tardiamente gera o risco maior de disfunção ventricular direita (devemos lembrar que o VD está sendo submetido a uma maior pós-carga), não desenvolvimento adequado da árvore pulmonar (devido ao baixo fluxo pulmonar) e lesão cerebral (devido às crises hipoxêmicas). Dessa forma, é quase unânime entre as análises retrospectivas indicar a correção antes do primeiro ano de vida. Mas daí vem outra pergunta: quando é o melhor momento para cirurgia corretiva em pacientes com Tetralogia de Fallot entre 0 e 12 meses de idade?

Objetivando responder essa pergunta, Martins IF, et al realizaram uma revisão sistemática com estudos relevantes publicados entre 2000 e 2017. Oriundo da análise das 22 publicações elegíveis para o estudo (20 estudos de coorte retrospectivos e 02 revisões) - considerando um período pós-operatório de até 3 anos, tempo de permanência na UTI, tempo de ventilação mecânica, complicações peri e pós-operatórias, necessidade de reoperação e mortalidade - os autores concluíram que a melhor idade para correção cirúrgica eletiva definitiva do Fallot é entre 3 e 6 meses de idade em crianças assintomáticas e levemente sintomáticas.

Em resumo:

  • Pacientes Sintomáticos:

  • operar sempre que possível independente da idade

  • Assintomáticos:

  • Operar entre 3-6 meses (não acima de 01 ano).

Abaixo segue um SCREENCAST com mais informações e nuances sobre o tema da postagem!

Referência:

1. MARTINS, Izabela F. et al . When is the Best Time for Corrective Surgery in Patients with Tetralogy of Fallot between 0 and 12 Months of Age?. Braz. J. Cardiovasc. Surg., São José do Rio Preto , v. 33, n. 5, p. 505-510, Oct. 2018 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-76382018000500505&lng=en&nrm=iso>. access on 08 Jan. 2020. http://dx.doi.org/10.21470/1678-9741-2018-0019.


Posts Em Destaque
Posts Recentes