top of page

O CIRURGIÃO CARDÍACO INTERVENCIONISTA: UMA AFRONTA AO HEMODINAMICISTA?

Atualizado: 2 de ago. de 2023


The “Interventional cardiac surgeon”: the (new) member of the interventional Heart Team: este foi o título do editorial publicado em 2020, que teve contribuição do cirurgião Francesco Maisan e cardiologistas intervencionistas.

Poucas décadas atrás, a cirurgia cardiovascular e a hemodinâmica travaram uma grande discussão que gerava um desconforto enorme nos cirurgiões. O debate girava em torno da revascularização do miocárdio e ecoava sobre o futuro da especialidade cirúrgica: será que a hemodinâmica iria acabar com a cirurgia cardíaca nas próximas décadas?


Para quem não se recorda, em meados de 2010, discussões sobre o Syntax trial estavam a todo vapor. Neste estudo, os autores realizaram a seguinte pergunta: Qual tratamento era melhor, a cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM), clássica e invasiva, ou a angioplastia transluminal coronária (ATC), tratamento percutâneo de menor agressividade? No desenrolar deste estudo, a narrativa que se criava era que a ATC iria substituir a CRM, eliminando o procedimento mais rotineiro do cirurgião cardiovascular. Tal debate gerava um grande desconforto no cirurgião cardíaco brasileiro, especialmente no que tange aos procedimentos transcateter. O que se criava ali, para as gerações mais novas, era a visão de que as intervenções de menor agressão eram o futuro. O estudo Syntax, após 05 anos de seguimento, não demonstrou superioridade da Angioplastia em relação à CRM, porém acelerou a percepção do cirurgião cardíaco brasileiro, especialmente nas novas gerações, de que não deveria afrontar e virar as costas para as intervenções percutâneas, e sim absorvê-las em seu arsenal da maneira mais ampla possível.


No momento em que o implante percutâneo valvar aórtico (TAVI) e o fechamento percutâneo da comunicação interatrial se tornaram uma realidade no Brasil, muitos cirurgiões abraçaram a tecnologia. Não criou-se uma torcida a favor da cirurgia convencional contra a TAVI. Na realidade, os cirurgiões cardiovasculares aprenderam as técnicas percutâneas e incorporaram esses tratamentos intervencionistas. A partir deste momento, nasceu - filosoficamente e academicamente - o que chamo de Cirurgião cardíaco endovascular, intervencionista.


Na realidade, Cirurgiões cardíacos que se dedicam a procedimentos percutâneos não é algo novo. Há vários no Brasil e no mundo que se tornaram referência, e atuam nessa área há décadas. Aqui no Brasil Cirurgiões cardiovasculares como Prof. Honório Palma, Diego Gaia, Eduardo Saad, Marcela Sales, Alexandre Magno, Anderson Terrazas, Paulo Prates e diversos outros, nos quatro cantos do país, provam que a cirurgia cardiovascular enraizou de vez as técnicas transcateter. A tendência é apenas crescer.


No decorrer das últimas décadas, o interesse dos cirurgiões cardiovasculares nos procedimentos endovasculares provocou um desagrado em alguns Hemodinamicistas - principalmente aqueles que advogam e querem tomar para si todos os procedimentos que envolvam cateteres. O desagrado pode estar relacionado a alguns fatores. O primeiro, caro leitor, talvez seja o pensamento de mercado. Se os cirurgiões cardíacos também realizarem procedimentos transcateter, alguns hemodinamicistas podem achar que irão perder espaço, pacientes e procedimentos com um agradável valor agregado. Quiçá, este seja o motivo pelo qual em alguns hospitais o hemodinamicista queira “proibir” o cirurgião de usar "sua" máquina de hemodinâmica. Esse tipo de pensamento, além de desleal com os “colegas” cirurgiões - que possuem habilitação, respaldo legal e técnico de atuar na área intervencionista - é totalmente inadequado do ponto de vista social. Na realidade brasileira, onde há uma falta de profissionais especializados para atender de maneira abrangente toda a população, cercear ou limitar a atuação de outro colega apenas irá prejudicar o sistema de saúde como um todo, principalmente os doentes pertencentes ao SUS. Portanto, o interesse mercadológico de alguns poucos hemodinamicistas é desrespeitoso com os cirurgiões cardíacos, e também com os pacientes, pois dificulta o acesso destes à avaliação e tratamento adequado.


O segundo desagrado deve ser o filosófico. Pode ser difícil para alguns hemodinamicistas retrógados e arcaicos ver um cirurgião cardíaco realizar procedimentos endovasculares, que sabidamente possuem habilidade e respaldo legal para atuar, além de ter capacidade profissional de decidir (de preferência em conjunto com o heart team) qual estratégia escolher e, sobretudo aplicar - cirurgia aberta, minimamente invasiva, híbrida ou exclusivamente endovascular, acessos alternativos, tudo isso o cirurgião treinado pode dedicar e prestar. Além disso, o sofisma de que apenas o hemodinamicista tem conhecimento sobre cateterismo é antiquado. Cirurgiões cardiovasculares, vasculares e neurocirurgiões são exemplos de profissionais que também realizam procedimentos transcateter. Hemodinâmica pode até ser sinônimo de cateter, mas Cirurgia cardíaca, vascular e neurocirurgia não são sinônimo de bisturi (para o corte) e porta agulha (para a sutura). A verdade é que o cirurgião cardíaco moderno se tornou capaz de realizar os mais diversos tipos de procedimentos com as mais variadas técnicas e invasividade, inclusive, podendo lançar mão de procedimentos híbridos, que são aqueles que unem uma intervenção cirúrgica convencional, aberta, com outra endovascular.


Se havia debates em meados de 2010 se a cirurgia cardiovascular iria acabar nas próximas décadas, hoje temos a resposta: não, ela não vai acabar! Na verdade, hoje temos a resposta: ela se modernizou por meio de cirurgias minimamente invasivas e procedimentos endovasculares e transcateter.


Por fim, vale salientar também que após mais de uma década de Syntax trial, a cirurgia de revascularização do miocárdio ainda existe.


2 comentarios


Rawllan Weslley
Rawllan Weslley
30 ago 2023

Ler isso aquece a alma. Vários professores de outras especialidades da graduação nos desestimulando a fazer CCV porque está "com os dias contados".

Me gusta

Seu texto foi um incentivo para um futuro cirurgião cardiovascular. Muito bom!

Me gusta
Posts Em Destaque
Posts Recentes
bottom of page