DNA bacteriano na estenose aórtica!


Estenose aórtica ainda é uma das doenças estruturais adquiridas que mais afeta a população. Em geral, sua prevalência aumenta com a idade, variando de 1,3% na população de 60-69 anos para até 9,8% em pessoas entre 80-89 anos!

Tem como principais etiologias a doença reumática e a calcificação valvar.

Em cima valva aórtica normal, e abaixo valva aórtica calcificada. A direita, a diferença tecidual na progressão da doença, com mais depósito de colágeno, fibrose e cálcificação. Retirado de: Bacterial infiltration in structural heart valve disease.

Com o passar dos anos, o entendimento da progressão da calcificação da valva aórtica (VAo) foi melhorando; hoje se sabe da correlação de fatores de riscos como hipertensão, diabetes, distúrbio do metabolismo do cálcio etc na gênese da doença.

Recentemente a relação entre infecção bacteriana com calcificação da VAo passou a ser mais estudada. Em um novo estudo publicado em Fevereiro/2019, pesquisadores utilizando sequenciamento de DNA encontraram em meio os depósitos de cálcio da VAo, DNA bacteriano em 52% das amostras!

Entre as amostras estavam DNA de espécies como: Staphylococcus epidermides, S. aureus, Enterococcus faecium, Acinetobacter baumannii, Pseudomonas aeruginosa, Burkholderia cenocepacia, Clostridium difficile.

Dessas amostras de valvas calcificadas, conseguiu-se cultivar colônias de E. faecalis, C. difficile, S. saccharolyticus, and S. haemolyticus, mostrando que as bactérias ainda se encontravam viáveis; mesmo que nas culturas de sangue os resultados viessem negativos.

Bactérias retiradas das calcificações sendo cultivadas. Retirado de: Bacterial infiltration in structural heart valve disease.

Todos os pacientes não possuíam evidencias clinicas, laboratoriais ou ecocardiográficas de endocardite.

Os achados sugerem um alto percentual não diagnosticado de estenose aórtica calcífica causada / influenciada pela inflamação ou infecção bacteriana local.

Apesar de ter sido um estudo pequeno (n = 25), levanta questionamentos importantes, principalmente no cenário atual de avanço das técnicas transcateter (TAVI):

Ao contrário da cirurgia convencional, na qual o cirurgião retira o tecido valvar para poder implantar uma nova valva, na TAVI a nova valva é implantada ‘dentro’ da antiga, deixando tecido potencialmente colonizado no paciente.

Outro ponto diferente é que ao implantar a TAVI, há um “esmagamento” dos depósitos de cálcio da VAo, o que poderia liberar as bactérias presas.

Por fim, o risco de endocardite na valva implantada pela TAVI ainda não é bem conhecido, e não se sabe até que ponto as bactérias presentes nos depósitos de cálcio poderiam migrar e colonizar a nova valva. Estudos maiores podem no futuro ajudar a elucidar esses questionamentos.

Referências:

1- Eveborn GW, Schirmer H, Heggelund G, Lunde P, Rasmussen K. The evolving epidemiology of valvular aortic stenosis. Heart. 2013;99(6):396. Epub 2012 Sep 2. DOI: 10.1136/heartjnl-2012-302265.

2- Bacterial infiltration in structural heart valve disease. Oberbach A, Friedrich M, Lehmann S, Schlichting N, Kullnick Y, Gräber S, Buschmann T, Hagl C, Bagaev E. J Thorac Cardiovasc Surg. 2019 Feb 20. pii: S0022-5223(19)30451-9. DOI: 10.1016/j.jtcvs.2019.02.019.

#ValvaAortica #TrocaValvaAortica #TAVI #TAVR #Endocardite

Posts Em Destaque
Posts Recentes