INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE INSUFICIÊNCIA MITRAL (IM)!!!

  • ETIOLOGIA/INTRODUÇÃO.

  • Os componentes da valva mitral são músculos papilares e miocárdio abaixo deles, cordoalha, folhetos e anel valvar. Qualquer alteração em um desses componentes pode levar à regurgitação valvar.

  • A regurgitação mitral leva a um aumento da pré-carga e diminui a pós-carga. Isso leva a um incremento do ventrículo esquerdo (VE) e aumento inicial da fração de ejeção (FE); em longo prazo, devido à disfunção ventricular, leva a queda da FE e aumento do volume sistólico final de VE.

Manual de Cardiologia Cardiopappers, Segunda edição. Página 637.

  • QUADRO CLINICO

  • Muito variado. Pode permanecer longos períodos assintomáticos quanto podem apresentar sinais e sintomas de insuficiência cardíaca (IC).

  • No caso de insuficiência mitral (IMi) aguda, há aumento abrupto de pressão no átrio esquerdo (AE), podendo levar a edema pulmonar. 


  • Sintomas: pode se apresentar com dispneia aos esforços, fraqueza (baixo débito) progressiva. 


  • Pode haver fibrilação atrial (FA) devido a dilatação cardíaca, mas o risco de embolização é menor do que de outras condições que causam FA. 


  • Pode haver quadro de dor torácica atípica e palpitações. 


  • Sintomas de IC direita, com edema de membros inferiores e ascite, sugerem 
estágios avançados, em associação com hipertensão pulmonar.

  • EXAME FÍSICO

  • Ausculta cardíaca: sopro holossistólico regurgitativo, que irradia para axila, mais audível em decúbito lateral esquerdo; primeira bulha (B1) hipofonética [normofonética se prolapso de válvula mitral (PVM) ou dupla lesão]. A intensidade não necessariamente tem relação com gravidade. 


  • Pode haver presença de terceira bulha (B3) se houver grande volume regurgitante. 


  • Ápice cardíaco desviado para esquerda, amplo e hiperdinâmico, associado a frêmito ou regurgitação palpável (ictus valvar). 


  • Sopro piante pode sugerir rotura de cordoalha – se houver irradiação anterior, deve-se pensar em rotura de cordoalha posterior. 


  • EXAMES COMPLEMENTARES

  • ECG: – Sobrecarga de VE: sobrecarga de AE (P. mitralis); pode haver fibrilação atrial. Sobrecarga de câmaras direitas se hipertensão pulmonar. (SAE).

ale&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwiRlareo4ffAhWBHpAKHR37AMQQ_AUIDigB&biw=1440&bih=687#imgrc=RO_AaZgFSO1VbM:

  • Raio-x Tórax: Aumento da área cardíaca. Aumento de AE (duplo contorno). Calcificação de valva mitral. Sinais de congestão pulmonar.

https://pt.slideshare.net/BrendaLahlou/sinais-do-raio-x-de-trax



  • Ecocardiograma: Auxilia na avaliação da gravidade e na identificação da etiologia da doença valvar.

  • Cateterismo: indicado para

  • Descartar coronariopatia associada em pacientes com sintomas sugestivos de 
insuficiência coronariana.

  • Descartar coronariopatia em pacientes homens acima de 40 anos; em 
mulheres pré-menopausa acima de 40 anos com fatores de risco para doença 
coronariana; ou em mulheres pós-menopausa.

  • Avaliação da gravidade da regurgitação valvar e suas implicações 
hemodinâmicas, caso haja discrepância clínico-radiológica.


  • CLASSIFICAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA MITRAL (IM).

  • Com relação a Gravidade

Manual de Cardiologia Cardiopappers, Segunda edição. Página 639.

  • Com relação ao local de acometimento primária e secundária.

  • Primária: envolve o a válva propriamente dita.

  • Secundária: envolve o aparato subvalvar, as estruturas de suporte valvar.

Carpentier's Reconstructive Valve Surgery From Valve Analysis from Valve Reconstruction; Saunders Elseviers; 2010; página 07.

  • Classificação de Carpentier para IM.

Carpentier's Reconstructive Valve Surgery From Valve Analysis from Valve Reconstruction; Saunders Elseviers; 2010; página 06.

  • TRATAMENTO

  • Clínico.

  • O tratamento medicamentoso não apresenta benefícios em morbimortalidade.Indicado como ponte para cirurgia, se paciente sintomático.

  • Visa reduzir a pós-carga. Podem-se utilizar vasodilatadores [por exemplo, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA)] e diuréticos, associados à restrição hidrossalina.

  • Se FA associada, pode-se utilizar digoxina.

  • Profilaxia para endocardite infecciosa e para febre reumática se indicada. Anticoagulação se houver FA.

  • OBS:. Se IM aguda: vasodilatador (nitroprussiato) e suporte com balão intra-aórtico (diminui a pós-carga), para redução do volume regurgitante valvar. Inotrópicos se necessário.

  • Cirúrgico.

  • Tentar preservar a valva sempre: valvoplastia. É mais factível em casos de prolapso do folheto posterior da mitral.

  • Se FE < 30% e não for conseguir preservar a valva, optar por não operar, já que geralmente há redução na fração de ejeção após o procedimento. Lembrando que na IM a FE é superestimada.

  • Em casos de IMi funcional secundária à IC, pacientes devem ser tratados com os medicamentos indicados para essa condição. A terapia de ressincronização elétrica, quando indicada, pode melhorar substancialmente a fração regurgitante e os sintomas.

2017 ESC/EACTS Guidelines for the management of valvular heart disease; página 2760.

2017 ESC/EACTS Guidelines for the management of valvular heart disease; página 2762.

  • RESUMINDO

  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • Manual de Cardiologia Cardiopappers, Segunda edição. Páginas 637-642.

  • 2017 ESC/EACTS Guidelines for the management of valvular heart disease; página 2758 -2762.

  • Carpentier's Reconstructive Valve Surgery From Valve Analysis from Valve Reconstruction; Saunders Elseviers; 2010. Páginas 5-10.

#insuficienciamitral #mitral #valva #insuficiencia #febrereumatica

Posts Em Destaque